:
:
:

E GUARDE ESTE CÓDIGO DURANTE 30 DIAS

Obter desconto

:
:
:
Ver Detalhes

REGISTE-SE

E GUARDE ESTE CÓDIGO DURANTE 30 DIAS

Dynamic Tape VS outras tapes e kinesiotapes

DYNAMIC TAPE ®
Uma abordagem única ao tape biomecânico
Dynamic Tape não é uma kinesiotape nem uma tape normal (banda neuromuscular). É uma tape Biomecânica, uma nova categoria de tape para atletas e com fins terapêuticos. Funciona com um segundo músculo, melhora a bimecânica e eliminando tensão muscular.
Na aplicação direta em regiões musculares, tira a sobrecarga da musculatura. Em aplicações indiretas, permite alterar a forma de rotações assim como melhorar o padrão de movimento. Por exemplo, um paciente que tem dificuldade em fazer uma supinação, com a Dynamic Tape, isso torna-se possível. A banda ajuda também no alivio da dor e edemas.
Estas propriedades visco-elásticas que permitem que ela funcione como uma corda elástica, agem sobre as alavancas do corpo proporcionando uma força de desaceleração, absorvem carga e reduzem o trabalho em tecidos lesionados. Uma vez que essa desaceleração é completa, a energia é armazenada como energia potencial elástica, e depois é injetada novamente no sistema, para ajudar o movimento. Desta forma, ela pode fazer o trabalho de músculos que estejam fracos, lesionados ou sobrecarregados ou simplesmente para mudar o padrão de movimento, puxando o corpo para uma direção ou resistindo noutras. Isto pode ser útil, para melhorar as técnicas no desporto, ajudar a marcha de uma criança com paralisia cerebral ou em casos de AVC.



Por isso, a Dynamic Tape não é uma banda neuromuscular nem uma kinesiotape! É feita de Lycra, e foi criada para ajudar a gerir a carga e a mudança nos padrões de movimento. Projetada pelo fisioterapeuta australiano, Ryan Kendrick, ela é muito usada por atletas, porém possui inúmeras vantagens no apoio a outras condições musculo-esqueléticas e neurológicas. Os seus mecanismos fisiológicos incluem efeitos diretos no sistema de controle da dor, circulatório, proprioceptivo e motor.


Como funciona a Dynamic Tape?

Mecanismos mecânicos
Foco no movimento, função e carga, permitem alcançar resultados efectivos.
Dynamic Tape foi desenvolvida especificamente para desenvolver para fornecer uma assistência mecânica forte , de modo a:

  • Reduzir o trabalho dos tecidos lesionados
  • Dar suporte a músculos mais fracos
  • Melhorar padrões do movimento
  • Aumentar estabilidade
  • Alterar posição de modo a melhorar a capacidade do músculo produzir força.


Vídeo com as diferenças entre Dynamic Tape e as outras tapes (bandas neuromusculares).


Existe algum tipo de contra-indicação para utilizar Dynamic Tape?

Algumas pessoas apresentam alergia à fita, apesar dessa incidência ser muito baixa, inferior a 5%. Não deve ser utilizada na pele que apresente feridas, fraturas e em pele muito fina (crianças e idosos), pós operatórios e ruturas. Também não deve ser utilizada para efeitos de relaxamento.

Pode ser utilizada em pacientes com pacemaker ou problemas neurológicos?

Existem casos de aplicação em pessoas com problemas neurológicos e com bons resultados em pacientes tetraplégicos. Porém, independentemente do tratamento, é sempre necessário ter em atenção a anatomia, fisiologia e a biomecânica do movimento. Em casos de AVE, a sua aplicação melhora os movimentos dos membros inferiores, melhora significativamente a extensão e o padrão da marcha. Existe resultados satisfatórios com a Dynamic também na mastigação, levantamento da laringe, melhor abertura e fecho da boca.

A Dynamic Tape é uma fita tape normal ou banda kinesio?

A kinesio Taping facilita o processo de regeneração do organismo passando a informação através dos recetores, auxiliando na sua normalização sem restringir o seu movimento, enquanto que a Dynamic Tape trabalha diretamente sobre a biomecânica do movimento. A comparação com as ligaduras funcionais ou outras técnicas que utilizem tapes, não se deveria colocar, na medida em que estamos a falar de técnicas diferentes com objetivos e indicações diferentes que inclusivamente se podem combinar num mesmo caso. Deste modo, cabe ao terapeuta a avaliação e escolha de que metodologia poderá ser mais indicada para aquele paciente, com aquela lesão, naquela fase e naquele contexto específico.